15.6 C
Timbó
domingo, 21 de julho de 2024

Inflação oficial cai e fecha o mês de junho em 0,36%

Data:

Inflação oficial cai e fecha o mês de junho em 0,36%
O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado pelo governo para fixar as metas de inflaçã …

Cleiton Baumann

RIO DE JANEIRO (Agência Brasil) – O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado pelo governo para fixar as metas de inflação, ficou em 0,36 % em junho. O resultado é inferior ao registrado no mês de maio, quando a taxa havia sido de 0,47%. Com o resultado de junho, o IPCA fechou o primeiro semestre do ano com alta de 2,57%. A taxa, no entanto, é menor do que a observada no mesmo período do ano passado (3,64%).
Os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelam também que nos 12 meses encerrados em junho a taxa acumulada é de 4,80%, também inferior aos 5,20% referentes aos 12 meses imediatamente anteriores. Em junho do ano passado, o IPCA havia ficado em 0,74%. De acordo com o levantamento do IBGE, a alta menos intensa do IPCA em junho foi influenciada pelos preços dos produtos não alimentícios, cuja taxa passou de 0,48% em maio para 0,26% em junho.
De um mês para o outro houve decréscimo nas taxas dos grupos habitação (de 0,72% para 0,27%), em função da menor incidência de reajustes na taxa de água e esgoto (de 1,34% para 0,09%), aluguel residencial (de 0,78% para 0,52%) e energia elétrica (de 0,82% para -0,48%); saúde e cuidados pessoais (de 0,68% para 0,49%) com a contribuição dos remédios, que passaram de 1,33% para 0,37%; despesas pessoais, que caiu de 1,57%, em maio, para 0,49% em junho, influenciado pela queda nos preços dos cigarros (de 9,21% para – 0,28%) e empregado doméstico (de 1,35% para 0,80%); e vestuário, que, em período de liquidação, teve sua taxa reduzida de 1,16% para 0,53% no período.
No caso dos produtos alimentícios, os preços subiram 0,70% depois de elevação 0,44% em maio. As principais pressões partiram de leite pasteurizado (de 9,77% para 12,10%) e seus derivados, que também ficaram mais caros para o consumidor como queijos (1,72%), creme de leite (3,57%) e leite em pó (1,48%). Entre as regiões, Curitiba foi a que apresentou a taxa mais elevada no mês (0,83%), influenciada principalmente pela alta nas taxas dos alimentos (1,01%), da gasolina (4,35%) e do álcool (7,47%). Por outro lado, a menor taxa foi observada em Belo Horizonte (0,06%).

Últimas Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui