15.3 C
Timbó
sábado, 13 de julho de 2024

Quando a bebida deixou de ser sociável

Data:


A redação do Jornal do Médio Vale (JMV) recebeu em seus estúdios a psicóloga infantil e adulto com experiência em tratamento da dependência química, Ângela Cunha dos Santos, onde concedeu entrevista abordando um tema extremamente delicado e que por vezes é tratado como um tabu, o alcoolismo.

Psicóloga: Ângela Cunha dos Santos
Psicóloga: Ângela Cunha dos Santos


Questionada sobre quando admitir que é um doente químico, a profissional explica que:

- Publicidade -


“O portador se dá conta que está doente, quando ele percebe que não consegue ficar sem a substância, no caso o álcool. Além do uso diário, quando o dependente não ingere a bebida, ele começa a sentir falta, ele tem sintoma, isso já caracteriza a dependência”.


Conforme Ângela “é preciso saber identificar os sinais e reconhecer a necessidade de ajuda, mas, ainda que pareça simples, esse primeiro passo pode ser difícil e doloroso para o etilista. É uma batalha árdua, diária, e quem passa por isso precisa contar com o apoio de familiares e amigos para vencer cada desafio que surge pela frente”.


A profissional também respondeu a pergunta se dependência química tem cura? “Não, ela não tem cura, mas ela é tratável. A pessoa pode ter uma qualidade de vida, se for acolhida, tratada e encarando esse processo de adoecimento. Porém, o alcoolismo é uma doença crônica e pode ser fatal. Hoje os índices de morte são altos, mas não por si só a bebida, mas pelo desenvolvimento de outras doenças crônicas, como doenças cardiovasculares, neurológicas, hepáticas, câncer, essas são as consequências do uso desenfreado do álcool”, enfatiza Ângela.


De acordo com a psicóloga “a família desempenha um papel importante no tratamento da dependência do álcool, já que auxilia na aderência, permanência, na superação de dificuldades decorrentes do processo e no estabelecimento de um novo estilo de vida sem o uso do álcool. “Quem sofre o impacto disso no dia a dia é a própria família. O usuário muda o comportamento, tem o seu trabalho prejudicado, as relações familiares prejudicadas, o comportamento social prejudicado, gera impacto em absolutamente tudo que envolve o dependente”, explica a profissional.

Às vezes, o próprio doente não consegue se reconhecer e assumir que está doente.
Às vezes, o próprio doente não consegue se reconhecer e assumir que está doente.

Importância do A.A.

Os Alcoólicos Anônimos (AA) são uma comunidade/irmandade com caráter voluntário de pessoas que se reúnem para alcançar e manter a sobriedade através da abstinência total de ingestão de bebidas alcoólicas. Atualmente, estima-se que existam aproximadamente 115 mil grupos e mais de dois milhões de membros em 180 países. No Brasil, existem cerca de cinco mil grupos.


Em Timbó, o grupo Alcoólicos Anônimos realiza seu encontro duas vezes por semana, segundas e sextas-feiras, na Casa da Serenidade Helton Hermann Gessner, localizada no bairro Quintino.


O A.A. pode ser descrito como um método de tratamento do alcoolismo, no qual os membros ajudam-se mutuamente, compartilhando entre si uma enorme gama de experiências semelhantes sofre o sofrimento e a recuperação do alcoolismo. O “tratamento” realizado pelo grupo são as reuniões onde os membros relatam entre si suas experiências do dia a dia.


As reuniões são abertas ao público, sem nenhum custo e com isso qualquer um pode participar, mas apenas aqueles que têm problemas com a bebida alcoólica podem participar das reuniões fechadas.


Se você conhece alguém que está passando por uma situação delicada com a bebida alcoólica e quer ajudar, dê o primeiro passo. Às vezes, o próprio doente não consegue se reconhecer e assumir que está doente.

Casa da Serenidade

Realizando serviços gratuitos e com o viés voltado para a comunidade, a Casa da Serenidade disponibiliza diversos serviços, são eles:


*Grupo de Ginástica, que desenvolve prática de atividade física, melhorando assim a qualidade de vida, os exercícios acontecem todas as segundas e quartas-feiras, das 7 às 8h;
*Grupo Mãos que Criam: grupo formado por mulheres que fazem da sua criatividade a arte do artesanato. O encontro acontece todas as terças e quintas-feiras das 14 às 17h;
*Grupo Superação que é direcionado a ajudar dependentes químicos ou pessoas com algum tipo de problema comportamental. As reuniões acontecem todas as terças-feiras das 19h30min às 21h;
*Grupo Pais e Familiares: o objetivo desse grupo é estabelecer o equilíbrio familiar, apoiando principalmente pais e familiares de dependentes químicos.
*Grupo A.A., conhecido mundialmente, realiza suas reuniões todas as segundas e sextas-feiras das 19h30min às 21h.

A Casa da Serenidade está localizada na rua São Bento, número 141, no bairro Quintino.
A entrevista completa com a psicóloga Ângela Santos da Cunha, você assiste no canal do YouTube do Jornal do Médio Vale.

Últimas Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui