18.7 C
Timbó
sexta-feira, 21 de junho de 2024

É preciso qualidade e fiscalização

Data:

É preciso qualidade e fiscalização
Em nível municipal, estão sendo aguardadas, com muita ansiedade, o início das obras de pavimenta? …

Cleiton Baumann

Um país como o Brasil, que drena da sociedade cerca de 36% de toda a riqueza produzida, através dos impostos municipal, estadual e federal, tem no poder público um importante agente propulsor da engrenagem econômica. Embora com funções diferentes da iniciativa privada, as ações dos governos são fundamentais para que o restante da cadeia produtiva obtenha um desempenho satisfatório para garantir trabalho, produção e renda. Infelizmente, na média geral, os governos não aplicam sua parte de nossas riquezas com a devida qualidade que merecemos. E o preço dessa incapacidade gerencial é pago unicamente pela sociedade, pois não são raras as denúncias de irregularidades financeiras envolvendo obras públicas de baixa qualidade. Aqui no Médio Vale, exemplos dessa má gestão na execução e fiscalização das obras públicas estão por todo canto. Na BR-470, não faz um ano, foi realizado um revestimento com asfalto no trecho entre Indaial e Blumenau. Basta passar pelo trecho, nas proximidades da empresa Albany, para constatar que os serviços executados foram de péssima qualidade. Asfalto de qualidade tem que durar, no mínimo, cinco anos. O mesmo agora se verifica na rodovia Tercílio Marchetti (SC-417), que liga Timbó a Rio dos Cedros. Não passaram 15 dias que a empresa concluiu a obra.  Além da péssima qualidade dos serviços, só foi cair as primeiras gotas de chuva, que já tem buraco se formando. Não estamos aqui afirmando que houve irregularidades na contratação destas obras. Mas é certo que não interessa aos governos sérios executar serviços que logo terão de ser refeitos, a custa de novos contratos e eventuais propinas. Em nível municipal, estão sendo aguardadas, com muita ansiedade, o início das obras de pavimentação em todas as cidades da região. Afinal de contas, os prefeitos já esquentaram as cadeiras e tomaram pé da situação de seus municípios. O povo não merece mais conviver com lama, poeira e buracos que ainda assolam muitas vias públicas no centro e bairros urbanos de nossas cidades.

Últimas Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui