16.4 C
Timbó
quarta-feira, 17 de julho de 2024

Alta do dólar impacta compra de insumos pela indústria

Data:

FIESC destaca aumento de custos de produção em setores relevantes para indústria catarinense

A desvalorização do real frente ao dólar foi de 13,4% no ano até o fim de junho, a quinta maior do mundo segundo a Austin Ratings. Com a cotação da moeda americana subindo ainda mais desde o fim do mês passado, o economista-chefe da Federação das Indústrias de SC (FIESC), Pablo Bittencourt, alerta que o primeiro impacto da alta do câmbio se dá sobre produtos e insumos importados que não possuem substitutos de fabricação nacional.

Para a indústria catarinense, o reflexo primário se dá na compra de matéria prima para setores relevantes para a indústria de transformação no estado, além de insumos agrícolas, como adubos e fertilizantes. “Os segmentos mais intensivos em tecnologia, como os setores de máquinas e equipamentos, aparelhos elétricos, peças para veículos e eletrônicos são bastante afetados, mas não são os únicos”, explica Bittencourt.

- Publicidade -

Outro segmento fortemente impactado é o de medicamentos. ”Os remédios e fármacos são parte relevante da pauta de importações brasileiras e a alta do dólar tem um efeito imediato sobre os preços, que afetam sobretudo a população mais idosa”, destaca o economista.

Como o Brasil importa boa parte do petróleo que consome, uma desvalorização por maior tempo tende a impactar no preço do petróleo praticado no Brasil, com efeitos não apenas a combustíveis, mas também a produtos derivados, como plásticos – que afetam o setor de embalagens, por exemplo. Repassados ao consumidor, estes preços acabam elevando o valor dos fretes. “O aumento dos combustíveis acaba gerando um efeito em cascata. Combinado com o aumento dos preços dos produtos e componentes importados, pode levar a uma pressão inflacionária”, afirma Bittencourt.

O economista-chefe da FIESC explica que a continuidade da desvalorização do real frente ao dólar tem impactos indiretos. “Uma taxa de câmbio a R$5,7 por U$1 é inflacionária, o que acaba justificando até um aumento da taxa de juros pelo COPOM ainda neste ano, com impactos para toda a economia do Brasil. Nesse sentido, apenas ações claras de ajuste fiscal nas despesas poderiam reverter consistentemente essa tendência negativa”, salienta.

Últimas Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui